Luanda – Foi a competência da incompetência das mulheres e dos homens insólitos ao poder, de que sabiam tudo e nada ou pouco fizeram por Angola, que causou a hecatombe desta geografia, esta foi a causa inicial que fez um país lindo e próspero como este cair no desrespeito da pessoa angolana, e na desorganização, ire-organizável do território nacional. Mais finalmente surgiu um timoneiro que ao dirigir o barco para direção certa, esta nos permitirá ver o, que até então, nos era impossível.

Fonte: Club-k,net
“Em 1973, Mcclelland publicou o "paper Testing for Competence rather than Intelligence", que de certa forma iniciou o debate sobre competência entre os psicólogos e os administradores nos Estados Unidos. A competência, segundo este autor, é uma característica subjacente a uma pessoa que é casualmente relacionada com desempenho superior na realização de uma tarefa ou em determinada situação”.

O que é a competência?

Vamos analisar duas correntes de competências na visão da cultura organizacional e da produtividade. A primeira é representada por grande parte dos autores americanos como Boyatzis e McClelland, cujo pensamento sobre competência se refere a conhecimentos, habilidades e atitudes (CHA), que permitam que o trabalhador exerça um determinado papel com excelência.

A segunda, é representada por autores franceses na sua maioria, como Zarifian e Le Boterf, onde a competência é entendida como as realizações do profissional dentro do contexto da organização. (Fleury e Fischer, 1992). Esta linha de pensamento ideológico é pouco real e atípica porque só se atinge a satisfação profissional quando à produtividade e rentabilidade, sejam elas de que natureza forem. Esta afirmação venha a ser real, em sociedades onde todos são ricos, “sociedades sem miseráveis” ou agremiação em que o pacto social tenha um nível bem-aceite em países como: Oceânia, Dinamarca, Suíça, Austrália, Suécia, Espanha ou mesmo a França.

Bem, o dicionário Webster (1981, p. 63). Define Competência como uma palavra do senso comum, utilizada para designar uma pessoa qualificada. A língua inglesa define competência como qualidade ou estado de ser funcionalmente adequado, ou ter suficiente conhecimento, julgamento, habilidades ou força para uma determinada tarefa” aqui podemos encontrar dois pontos principais ligados à competência: conhecimento e tarefa. O dicionário de língua portuguesa Aurélio enfatiza, na sua definição, aspectos semelhantes: capacidade para resolver qualquer assunto, aptidão, idoneidade e introduz a capacidade legal para julgar pleitos. O oposto destas definições chamaremos de incompetência. Os representantes Angolanos são competentes? Alguns, porque ser bom na hipóteses, não é ser bom na práxis.

É necessário diferenciar a competência de aptidões, que seria o talento natural da pessoa, o qual pode vir a ser aprimorado, de habilidades, demonstração de um resultado. RAC, Edição Especial 2001 p. 185. Nesta busca da adopção correta do conceito competências entre homem máquina, homem (soluções) dos problemas sociais em função do CHÁ, perguntamo-nos. (Qual é o modelo global, de gestão do conhecimento ou de competências que Angola utiliza)?

(Não sei), o real seria o direcionamento profissional por via académica, de centros profissionais, e da necessidade sectorial que o país precisa, sempre baseada no respeito da ciência. Como? Todos os problemas vividos hoje devem ser resolvidos por via dos estudos, pesquisas, investigações, e consultas científicas antes de os factos serem polarizados, assim como todos os projectos e programas a serem realizados para o bem da nação.

Nos últimos tempos, a palavra competência cobrou presença nas discussões televisivas, empresariais e académicas, imbuído de diferentes visões filosóficas como vimos anteriormente, ao nível da pessoa, (Competência do Indivíduo), ao nível das organizações (Competências Essenciais), e ao nível dos países (Competência Estadual). As competências passaram a ser a luz do mundo, uma ferramenta esperançosa para solucionar problemas que o universo apresenta em todas suas dimensões. Contudo, é de sabedoria meritorial, que a competência pessoal em alguns relevos, está condicionada pela causa.

Na actualidade, as pessoas com cargos de mando na função pública e privada no mundo inteiro, são confrontados frequentemente, e revogados as suas idoneidades do que dizem ser, em função ao que fazem como profissionais.

Entretanto, os factos mostram uma grande distância entre as soluções viabilizadas, aí onde estão colocados, em contraste das competências que dizem possuir, parece estarem possuídos pela ganância, esquecendo-se do dever de servir com eficiência e ver o seu próximo como um irmão ou (a) e não como um ser desprezível.

Em muitos casos o sofrimento é causado por governos corruptos no mundo todo, que dificultam as vidas das pessoas que poderiam ser protegidas por eles mesmos, isso cria pobres, emigração humana, desigualdade, racismo, discriminação de género e a cultura competitiva, como foi descrito por um científico dos E.U.A, levando as pessoas para um modo de vida petulante de competitividade desmedida na luta pela sobrevivência, e pela demonstração do que valem. Muitas pessoas têm pretensões de acabar com suplício no mundo, jamais o conseguirão.

Mas os governos não podem fechar os olhos aos reais problemas do universo. Não sabem onde começar? O COMEÇO TALVEZ SUPONHA QUE ÁFRICA USA-SE O CONHECIMENTO REGIONAL E A CIÊNCIA AFRICANA COMO PARTE DA SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: