Pretória - O Governador de Cabinda, Eng. Alexandre Marcos Nhunga, reuniu-se nesta Quinta-feira, 15/04, com um grupo de investidores sul-africanos interessados em investir no agro-negócios e em infraestruturas.

Fonte: Embaixada PTA

A reunião que foi em formato de videoconferência, foi aberta por SE. Filomena Delgado, Embaixadora Extraordinária e Plenipotenciária da República de Angola na África do Sul.


A reunião surge na sequência do relançamento, pela Embaixada de Angola, dos contactos exploratórios com empresários sul-africanos suspensos no início de 2020 devido a gravidade da pandemia da Covid-19 que forçou o encerramento de várias instituições e das fronteiras entre os dois países. SE. Filomena Delgado, defendeu a necessidade de se potenciar o sector privado com base a parcerias Público-privadas para a produção interna e exportação como forma de livrar o Estado do peso económico.

 

“O Estado deve dedicar-se à orientação das políticas de desenvolvimento do potencial nacional fora do Enclave de Petróleo”, disse a Embaixadora de Angola na África do Sul para quem o encontro vem dar resposta à Diplomacia Económica do Executivo para galvanizar os investimentos público-privados num contexto de abertura da economia angolana. As oportunidades de negócios incidem para a Província de Cabinda onde se pretende relançar a produção de cacau em grande escala, de milho, da avicultura e de suínos, de energia solar, bem como de minerais estratégicos.


O Eng. Marcos Alexandre Nhunga, Governador de Cabinda, ao apresentar o potencial socio-económico da província, disse que Cabinda está numa zona privilegiada que pode servir de Plataforma Logística para a África Central. “Temos água, electricidade, estradas e a África do Sul pode servir de âncora para o desenvolvimento não só de Cabinda como da Região Austral”, sustentou Marcos Nhunga.

 

Neste reunião com investidores, o que se pretende é mobilizar Know How para aumentar a produção para o consumo interno, exportar os excedentes, melhorar as infraestruturas escolares, hospitalares, de energia solar e águas, a renda das famílias e a qualidade de vida das comunidades com o seu empoderamento.

MAIO SERÁ DECISIVO

A reunião entre a Embaixada de Angola na África do Sul, o Governo de Cabinda e os investidores sul-africanos do Grupo Trooper e Agri All Africa, agendou para a segunda quinzena de Maio, um encontro no terreno para a constatação daquilo que a província mais setentrional de Angola pode oferecer.


“Não podemos falhar”, desafiou Marcos Nhunga à propósito da missão empresarial sul-africano que em Maio estará em Cabinda. A missão poderá facilitar a mobilização de recursos financeiros para projectos agro-pecuários e infraestruturas a partir de Fundos de Investimentos da África do Sul.


Segundo o angolano John Rocha que é director do Comércio e Investimentos do Ministério do Comércio e Indústria do Governo da África do Sul, quatro áreas fundamentais serão priorizados que têm a ver com o Desenvolvimento Agrícola Integrado; Cadeia de frio para a conservação de produtos agrícolas, Energia solar e industrialização da área de manufacturação. Da parte dos investidores sul-africanos estiveram presentes o CEO da AGRI ALL AFRICA Dirk Hanekom, o CEO do Grupo TROOPER John Kayira e sua equipa, bem como o Dr. John Rocha (angolano) que é Director do Comércio e Investimentos do Ministério do Comércio e Industria do Governo da África do Sul.

O ROSTO DOS INVESTIDORES

A AGRI ALL AFRICA é uma das maiores plataformas de negócios agrícolas da África, com uma vasta implantação em toda a região subsaariana do continente. Controla mais de 3.500 agricultores em mais de 45 países.

 

Já o Grupo Trooper está a preparar caminho para investimentos massivos em Angola com objectivo de garantir a segurança alimentar e exportação de excedentes.

 

O Grupo tem disponível um bilhão de dólares dos quais 525 milhões para investimentos imediatos. O Trooper Group, com ligações a vários Fundos de Investimentos da África do Sul, quer cultivar 60 mil hectares para produzir anualmente 300 mil toneladas de milho e 90 mil toneladas de soja e melhorar a qualidade de vida das comunidades dentro das suas políticas de Responsabilidade Social. Serviços de Imprensa da Embaixada de Angola em Pretória, aos 15 de ABRIL de 2021.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: