Johanesburgo – O veterano  jornalista Reginaldo Silva não assinou, em momento algum, documento ou abaixo assinado no sentido de tratar  junto as autoridades angolanas questões inerentes ao genocídio de 27 de Maio de 1977,  conforme citado erradamente nas declarações  proferidas pelo general Silva Mateus. Neste caso são nulas as acusações ou insinuações contra a sua pessoa ao que lamentamos e  apresentamos  pedidos de desculpas ao mesmo  pelo lapso e eventual  danos causado a sua imagem e nome.


Fonte: Club-k.net

Jornalista foi citado erradamente por general na reserva

Relativamente a não realização do anual e habitual encontro, nas vésperas da data do “27 de Maio”, o  jornalista e promotor do evento informou antecipadamente no seu blog que “Este ano não teremos o que seria a 6ª edição do “Almoço Evocativo do 27 de Maio” por razões que têm a ver apenas com questões de ordem logística relacionadas com o aluguer do espaço e com alguma indisponibilidade de ordem mais pessoal da parte dos dois organizadores do projecto.”

 

“Lamentavelmente, as duas razões conjugaram-se e produziram este resultado pouco animador para todos nós que já nos estavam a habituar a este encontro anual, como fazendo parte da nossa rotina.”

 

“Trata-se de uma reunião de confraternização dedicada à memória, à amizade e à solidariedade, como sendo a grande homenagem que nos comprometemos a prestar aos milhares de jovens angolanos que foram forçados a desaparecer do mundo dos vivos no âmbito de uma fria estratégia de eliminação física dos adversários, que há 33 anos foi patrocinada e executada de forma implacável pelo Governo do MPLA”

 

“Não se trata, entretanto, de colocar um ponto final na iniciativa, mas apenas de observar uma pausa forçada por uma determinada conjuntura, que deve ser entendida exclusivamente dentro das balizas aqui referidas, porque efectivamente não houve outras.”

 

“Para além de outras iniciativas do género que podem vir a preencher este ano o vazio do “Almoço Evocativo”, sabemos que haverá na próxima quinta-feira uma oportunidade para estarmos todos juntos e para assinalarmos o 27 de Maio de 1977, no dia 27 de Maio de 2010.


Esta oportunidade ser-nos-á dada pelo lançamento nas instalações da Liga Nacional Africana a partir das 15 horas, de um novo livro sobre a trágica efeméride, da autoria do Miguel Francisco (Michel).” Le-se no seu blog (morrodamaianga.blogspot.com/).

 

Segundo fontes seguras, confidenciaram a direcção da Fundação 27 de Maio, segundo o general Silva Mateus, presidente da referida instituição, que Luís dos Passos, Reginaldo Silva, Felix Matias “Felito”, Macau entre outros, subscreveram uma carta ao Presidente do MPLA e da República, José Eduardo dos Santos, para que lhes fossem concedida uma audiência para tratar de questões inerentes ao genocídio de 27 de Maio de 1977.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: