Luanda - Assunto: Direito de Resposta à matéria da página 4 do Jornal A propósito de uma matéria publicada pelo Semanário Angolense no sábado, dia 15 de Maio de 2010, o BAI – Banco Africano de Investimentos, S.A - vem, ao abrigo dos artigos 64 e seguintes da Lei 7/06 de 15 de Maio, também conhecida como Lei de imprensa, dirigir a presente petição, no exercício do direito de resposta e rectificação que lhe assiste.


Fonte: SA


Porque a peça publicada contém passagens falsas ou inverídicas, lesivas dos interesses da nossa instituição, incumbe elucidar que a Grinaker é uma sociedade comercial de capitais inteiramente privados, que resulta da transformação de uma sociedade por quotas em sociedade anónima, no ano de 2002, efectuada por escritura pública notarial que evidencia a entrada no seu capital de uma sociedade estrangeira, a construtora sul africana Grinaker LTA, em parceria com o Banco Africano de Investimentos. A primeira era detentora de 47 % do capital e o segundo de 51 %.


Mais se esclarece que subscreveram o capital social em 1% cada, e na condição de administradores indicados pelo BAI, os Srs. Mário Palhares e Manuel Vicente. Realçarque as acções representativas daquela participação no capital social estão sob custódia efectiva desta instituição. Os restantes 2% pertencem a um antigo sócio fundador da sociedade objecto de transformação, sem qualquer relação directa ou de outra natureza com o Grupo BAI.


A transformação da referida sociedade e respectiva composição accionista estão suportados por documentos dotados de fé pública e publicitados de forma oficial. Correntemente a Sociedade encontra-se em novo processo de ajustamento estrutural em função da aquisição pelo Grupo BAI da totalidade das acções então detidas pela construtora sul-africana.


Relativamente à obra de construção civil mencionada, esclarecemos que a mesma foi adjudicada como resultado da apresentação, pela Grinaker, de melhores termos em concurso aberto para a obra de contenção e fundações. Posteriormente, e para a fases de superstrutura e acabamentos, foi a sociedade convidada a integrar um consórcio com duas outras construtoras, prática comum no sector da construção civil em obras de elevada dimensão e complexidade de execução.


Certos da vossa melhor atenção ao conteúdo supra, subscrevemo-nos e endereçamos os melhores cumprimentos,


Luanda, 28 de Maio de 2010.
Direcção de Marketing e Comunicação do BAI.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: