Lisboa - O director de informação da Rádio Nacional de Angola, Eduardo Magalhães esta a ser internamente criticado por ter recusado, no passado dia 1 de Junho, a divulgação de todas as notícias sobre o show do “criança  futuro” projecto cujo pratono é Fernando Miala,  de quem foi próximo no passado.


Fonte: Club-k.net

Diz que cumpriu ordens da ministra

Como justificação do veto, Eduardo Magalhães, alegou aos  colegas que   recebeu ordens da Ministra da comunicação social, Carolina Cerqueira. Os jornalistas garantem que ele apenas usou o nome da ministra para prevenir que a actividade do projecto de Miala  passasse.  


De acordo com uma denuncia dos colegas, Eduardo Magalhães teria simulado ter falado com a ministra ao telefone. “Ele fica nos corredores da RNA falando alto e a chamar sempre sim ministra, sim ministra, vou cumprir as suas orientações para que todos oiçam bem com quem ele está a falar.”, disse a fonte que condiciona o anonimato.

 

“Ele Costuma dizer que é intimo da ministra a quem dá muitos conselhos sobre o sector. Afirma que as actuais leis do sector foram elaboradas pelo seu punho e entregues já bem feitas a ministra Carolina Cerqueira para ela brilhar junto do presidente” disse a fonte.


A mesma fonte  denuncia que o mesmo “faz circular entre os seus seguidores na empresa a idéia de que foi escolhido para tomar acento no futuro conselho de administração da RNA”, razão pela qual “Ele tem dito que já foi orientado pela ministra Carolina Cerqueira para  fazer uma limpeza na RNA.”


A fonte refere  que o director  Eduardo Magalhães diz nos corredores que ira propor  a Ministra a exoneração de nomes como “ Filipe Diatezwa, Candido da Rocha Pinto, Silva Junior, Belchior de Carvalho, Alberto de Sousa, Branca Campos , Perpetua Cabral , Vaz Kinguri e Gaspar Santos.”, figuras estas, que ele suspeita  que terão influenciado com que o antigo ministro Manuel Rabelais lhe afasta-se do cargo de director-geral da emissora. Atribuem-lhe mal dizeres contra o antigo ministro a quem passou a rejeitar.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: