Luanda - O ministro da Saúde, José Van-Dúnem, disse, esta semana, à imprensa no final da reunião com  a Comissão Nacional de Luta Contra o HIV/SIDA e Grandes Endemias, que o índice de prevalência de casos de HIV-SIDA, no país é de 2.1% em relação aos países que fazem fronteira com a República de Angola.


Fonte: Club-k.net


No entanto, garantiu que essa epidemia, em Angola, afecta mais as mulheres (1,9 por cento) em relação aos homens e que a doença no país está de grande forma influenciada pelos estados vizinhos e pela circulação de pessoas com países com seroprevalência bastante elevada, como é o caso das províncias do Cunene, Kuando Kubango, Namibe, Lunda Norte e Luanda, "onde desembocam todos os caminhos".


O titular da pasta de saúde frisou ainda que a forma de transmissão heterosexual continua a ser a mais importante, com 81,8%, e a vertical com 6,1, facto que as entidades têm de continuar a trabalhar para introduzir cada vez mais mulheres seropositivas no programa de corte de transmissão vertical.


Por seu turno, a directora do Centro Nacional de Luta Contra Sida, Dulcelina Serrano, que também falou à imprensa, frisou que o plano estratégico do Governo angolano tem como resultado controlar a infecção do VIH-SIDA.

 

O mesmo (plano), ressaltou, está estruturado em quatro áreas temáticas, sendo prevenção, tratamento e cuidados, monitoria e avaliação e reforço de sistemas. De acordo com Dulcelina Serrano, este plano estratégico do Governo, destinado para 2011/2014, está orçado em 235 milhões de dólares norte-americanos.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: