Lubango -  O Governo  da Huila é acusado de renovar  erros cometidos nas primeiras demolições de Março. A arrogância, o excesso de zelo, são referenciadas como  estando a encarnar  e galvanizar o regime na província  ao expropriar abusivamente os meios de reportagens dos profissionais da comunicação social provenientes de Luanda.


Fonte: Club-k .net


Ameaças de cadeia aos profissionais da Huila de comunicação social, uma vez mais, trouxeram a tona, a revolta e o descontentamento da classe de jornalistas da praça. Ninguém se atreve fazer reportagens, sob pena de um julgamento sumário no tribunal da Huila. O aviso foi lançado pelo Governador da Huila Isaac dos Anjos aos Directores dos distintos órgãos de comunicação social acreditados na província Huilana.


O projecto que uma vez mais, colidiu com as directivas e resoluções da AN, sobre  as demolições,  Põe  no olho da rua, mais de trezentas famílias, desde ontem dia 29 de Setembro do ano em curso, sem compensação pela destruição das casas.


Desprovida de qualquer oportunidade para se fazer ouvir a sua voz, ante demolição exacerbada pelo governo de  Isaac dos Anjos, relega as comunidades a humilhação e fazer contas a vida  do quanto terá valido a sua confiança nas urnas em mais de seiscentos votos  a favor do MPLA dos oitocentos possíveis, na ultima legislatura.


“ Um governo que só aprendeu partir e nunca construir casas e entregar a população que diz defender, só nos resta, uma coisa. Unidos a causa da nossa sobrevivência, e lutarmos contra os que nos destroem, independentemente das paixões partidárias. O Actual Governo é insípido, venenoso e impopular. Merece a nossa sanção nas próximas eleições”, disse ao club-k na cidade do Lubango Maria da Conceição dos Santos.


ABUSOS DE PODER


Na sequência das demolições que decorrem na cidade do Lubango desde ontem dia 29.09.2010, deslocou-se na manhã desta quinta-feira 30.09 a cidade do Cristo rei, alguns repórteres do Semanário O País (Eugénio da Silva Mateus - 926 153 348),  Semanário  Angolense (José Zangui - 933 887 129) e um fotografo do Semanário O País (Joaquim Nuno Dias dos Santos - 926 799 886), com o propósito de efectuar acompanhamento e reportagens das demolições anunciadas pelo Governo Provincial da Huila.


 
Já no local, pelas 9H00 Os jornalistas no exercício da sua actividade, foram confrontados com a polícia que cumprindo as ordem superiores locais, alem de impedir o trabalho de reportagem, abusivamente extrapolaram a fronteira do cúmulo da pouca vergonha, retiraram todos meios.


 
Apenas, quando eram 11H00, graças a intervenção do advogado David Mendes, Presidente da Associação mãos livres, também presente na cidade do Lubango, o Porta-voz da policia Nacional superintendente Chefe conhecido por Fernando, procedeu a devolução dos meios apreendidos aos jornalistas, mas, com imagens e registos magnéticos totalmente destruídos.
 


Joaquim Nuno Dias dos Santos fotografo do Semanário o país, foi o mais visado. Alem de ter sido colocado por três sargentos de AKm, viu igualmente destruído o aparelho fotográfico.
 


O repórter, negou recebe-lo de volta destruído. O facto já  acautelado na oportunidade, pelo presidente da Associação mãos livres, o advogado  David Mendes.


 
Ao meio da tarde desta quinta-feira, as demolições decorreram no perímetro do Laureano e Rua da Rádio 2000. Casas de construção definitiva, ou seja construídas de tijolos, foram igualmente demolidas, sem qualquer compensação aos pacatos cidadãos.


 
EM DEFESA DAS COMUNIDADES VIOLADAS MÃOS LIVRES INTENTA UMA ACÇÃO CONTRA O ESTADO.
 


A Associação Mãos Livres, em defesa dos direitos humanos, considera inconstitucionalidade de acto, a forma como os cidadãos estão a ser tratados, nesta campanha de demolições na cidade do Lubango.


 
O Governo, incorre desta forma,  no crime de abuso de autoridade. Uma acção contra o estado será intentada nas próximas horas pelo advogado David Mendes, onde será exigido indemnizações, de acordo os intrusivos existentes e aprovados pela Assembleia Nacional.
 


Em Março do ano em curso, Isaac dos Anjos Governador da província da Huila, liderou unilateralmente a empreitada de demolições que deixou ao relento, até a presente data na chamada Chavola, cerca de três mil cidadãos entre crianças, velhos comprometendo igualmente o ano lectivo dos petizes e acelerada morte de mulheres chefes de família que já partiram para eternidade em consequência dos maus-tratos no matagal de Tchavola.
 


Nestas demolições de Março, não foi igualmente permitida a imprensa local Huila proceder cobertura. Pelo menos, três crianças que se encontravam a descansar numa das residências demolidas , morreram  as testemunhas foram ameaçadas a prestar qualquer declaração e os pais perderam casa, mobília e filhos, sob o olhar impune de quem de direito.
 


RETALIAÇÕES DA GOVERNAÇÃO DE ISAAC DOS ANJOS


 
A presença do Presidente da Associação Mãos Livres, advogado David Mendes, no passado dia 29.09, aquando do inicio das demolições, foi tido como sendo, espinha na garganta do governo local.


 
Recorrendo a velha prática de intimidação, supostos meliantes, assaltaram na calada da noite de quarta -feira dia 29.09 para quinta-feira 30.09, a viatura de marca mazda,alugada pelo Presidente da Associação Mãos livre, David Mendes, em acto decorrido junto a residência do representante daquela associação cívica, na região sul de Angola, Jerry Simão, na zona Industrial.


 
Nem por isso, David Mendes se intimidou. Um processo contra o estado, visando a indemnização dos cidadãos afectados por mais este descalabro do Governador da Huila que não respeitou a resolução que orienta os pressupostos legais em caso de demolições de residências de cidadãos pelo estado, esta na forja.

 

Nas últimas demolições de Março, o Bispo Metropolita do Lubango Dom Gabriel Mbilingui, recusou-se atender o pedido de Isaac dos Anjos, que visava a Igreja Católica rezar pelo Governante, enquanto decorresse as demolições.

 

Dom Gabriel Mbiligui, um dos poucos Bispos de Angola que se identifica com o seu rebanho, disse na oportunidade que não fazia parte da doutrina católica, rezar para um governante maligno. sem piedade de crianças e velhos, maltrata seres humanos, como se de animais fosse, para estes, em vão rezar para eles.


 
A Huila é a segunda praça eleitoral de Angola, o seu povo, não se sente satisfeito com a governação de Isaac (dos pecados).

 

A direcção do MPLA nesta Província, está preocupada com o cenário. Abstenção dos militantes do partido dos camaradas e o resto da população votar contra a politica de Isaac dos Anjos, é o mais previsível que se poderá traduzir na penalização eleitoral do MPLA nas terras da Chela.


Tchavola é  hoje, a grande  referencia de um povo sofredor, produto de uma governação  alérgica, antipática e totalmente contra o povo.



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: