Partido "inovador e que garanta prosperidade"

O nosso interlocutor instado sobre a posição dos demais intelectuais com quem convive, acrescentou que “…vivemos numa sociedade com múltiplas necessidades pontuais, a par disso o leque com quem melindro profecias sobre Angola reconhece que para manter o lume no fogão e possuir outras benesses do governo temos sido maleáveis a corroborar com certos princípios que contradizem os manuais didácticos e ao mesmo tempo contra os princípios de uma governação na base da ética humana contemporânea.

“Quem vive em Angola ou perfeitamente educado sobre as intoxicações infaustas dos grandes homens, entenderá a posição do leque que me refiro. Mais, quem vive acolá de Angola terá outra postura em relação ao nosso comportamento. Portanto, não deixo de aplaudir os angolanos na diáspora pelo magno calor humano de irmandade transmitido diariamente neste canal, apelou o nosso entrevistado.

A camada intelectual angolana no seu todo esta conceitualizada que Angola direcciona-se para o porto errado. Este porto acarreta não só politicas de exclusão como centralização dos recursos financeiros num rebanho de amigos bem definidos. Infelizmente, esta profunda apreciação só é conclusiva por aqueles que vão além da informação dada. Por exemplo, se alguém diz que vai repor igualdade em todos os distritos inerentes aos bens do estado e em outros órgãos nacionais, quer dizer fim total de actos impróprios. Infelizmente, estes atropelos continuam a ser perpetuados mais de uma forma institucionalizada. Quer dizer, ratificam os parâmetros legais tal como os convêm e fazem o que lhes apetece em conformidade com a alega “jurisdição”, descreveu o jurista angolano.

Sobre o resultado do próximo pleito eleitoral, o mesmo salientou que “o MPLA, sabe e sente-se inseguro pelos angolanos bem informados. Reconhece que muitos não os depositarão o voto. São tantos factos a deambularem no mundo informativo sobre todas as licitudes mal concebidas pelos patronos do MPLA que tem desmascarado amoplamente a diferença entre retórica e prática. O grosso intelectual, causará roturas na hegemonia do MPLA no parlamento. Este grupo que tem actuado isoladamente e sem influências do partido A ou Z, arrastará consigo os membros mais próximos e familiares. Aí, é aonde atingirá duramente o MPLA e que e até agora se desconhecem exactamente as consequencias.

Como última questão perguntamos se esta classe votará em que grupo político: Somos muitos liberais neste ramo, refiro-me ao meu leque. Uns simplesmente não irão votar. Os demais identificam-se mais com partidos da nova geração criados e sem conotações a UNITA ou mesmo do MPLA. Queremos algo inovador e que garanta prosperidade para Angola, disse.

Fonte: Club-k



DEBATE NAS REDES SOCIAIS:




DEBATE NO ANÓNIMATO: